quinta-feira, 24 de junho de 2010

PASSEANDO NA PRACINHA

Filhinha

Chupinha














A capororoca,  árvore típica da nossa terra. Resistente ao nosso clima e nunca perde as folhas. Muito linda.

Marisa trazendo a Chupinha. Ela não quis vir e depois se arrependeu.







Aquela "costela de Adão" foi eu quem plantou.

Essa árvore maior é a capororoca. Trouxe uma muda das pescarias e a plantei no pátio, mas depois, eu a transplantei para a pracinha.

Mais ou menos nesse canto da pracinha uma "abençoada" senhora abandonou uma filhotinha rescém nascida, em dia de chuva,  entregue a própria sorte... que sorte... foi a Marisa que a viu e a acolheu. Seria para encaminhá-la para adoção, mas, foi ficando,... ficando,... pretinha pra cá, pretinha pra lá e, taí a Chu (Chupinha).

Chuuuuu....

Havia  ao lado da capororoca uma dessas árvores de pracinha que foi cortada depois de ser sufocada por erva-de-passarinho. Mas, enquanto era viva,  não deixou a capororoca crescer galhos na sua direção. Outras tantas dessas árvores morreram e foram cortadas pelo serviço de limpeza da prefeitura. Talvez, se tivessem sido podadas e livradas da erva-de-passarinho, teriam sobrevivido.

O Thaico gostava muito de passear nessa pracinha e, quando me via colocando um casaco, já ficava impaciente para sair portão a fora.

Nota: As fotos da pracinha foram feitas hoje e, as outras ontem, quando chegaram do banho.


RIO GRAVATAÍ

No domingo fizemos uma remada a partir do clube náutico Albatroz em direção ao arroio Humaitá, subimos o arroio das Garças e fomos até Morretes,  em nossos caiaques. Queria ver o rio Gravataí, a ponte nova e o que mudou mais depois de muito tempo. Meus parceiros nessa remada não devem ter gostado,  nem mesmo eu, de tanta poluição que vimos no rio Gravataí


Rio Gravataí. em frente ao clube náutico Albatroz.


Construção da nova ponte (obra do PAC). Será que vai resolver a questão do congestionamento de tantos anos? 


 Uma porteira trancada para a navegação à vela e, para embarcações a motor,  somente as menores podem  passar sob o vão.


Mas, afinal, quem ousaria velejar por um rio tão poluído?


Ou, quem quisesse se associar ao clube náutico Albatroz  ou, simplesmente usar sua marina? Essa possibilidade não existe.


A draga paralisada por motivos ...(veja em: HIDROVIAS INTERIORES - RS)
 Uma tubulação se mantém ao nível da água servindo de local para as garças.


 O que mais apavora é a grande quantidade de garças e a maioria delas parece estar morrendo junto com o rio, em meio a peixes mortos boiando, mau cheiro e óleo derramado das embarcações. 
O remo até deslizava nas mãos em contato com aquela água. 
Achava que teria menos lixo devido às chuvas desses últimos dias, mas, parece que a correnteza do Gravataí não venceu empurrar o lixo adiante da sua foz,  pela força da correnteza do canal Humaitá.
 Fiquei imaginando que peixes aquelas garças pescam para  se alimentar;  dos  que estão morrendo ou, dos que já estão apodrecendo sobre a água?
 Saber que a drenagem está parada por problemas técnicos ou por conta de onde  material que seria retirado...pelo que posso entender  parece o fim das garças, do rio, da  fauna, da água e tudo mais.
. É o processo de destruição da terra que segue seu curso.


Um garça na pontinha de um galho submerso.


Essa quantidade de peixes mortos e lixo na água do rio que constatamos não era das mais graves. Em outras ocasiões ocorreram maior gravidade como mostram os relatos do pessoal da APTA





Relatos da remada em: Kayaks & Tralhas Aventuras







quinta-feira, 17 de junho de 2010

Cockers' Adventure



Fonte:http://norbu.com.br/xoops/

Hoje encontrei esse blog e  veio a saudade do Tchaico. Quem o conheceu vai ver que ele era bem parecido.
São muitos vídeos de muita qualidade e bom gosto e,  quem tem um amigo cão ou teve, vai se emocionar.

RODOVIA DO PARQUE - BR-448/RS




Vai dar para ver o arroio das Garças de cima da elevada...

Fonte:http://blog.planalto.gov.br/rodovia-do-parque-br-448rs/

sexta-feira, 11 de junho de 2010

quarta-feira, 9 de junho de 2010

PAISAGENS DO JACUÍ

Remada pelo rio Jacuí



Muitas árvores são levadas pela enchente e podem se transformar em risco para navegação. Esta foi parar  bem na foz do rio Caí.

Detalhe da margem do rio das Balsas ( encontrei como sendo o nome do trecho que começa na ilha do Lage) Parece ser mata natural.

Uma garça no alto de uma taquareira.

Nesse trecho do rio das Balsas e, logo acima , rio Jacuí, a movimentação de embarcações  maiores.

Essa  vai subindo o rio.

Vista para o Jacuí logo acima do canal de navegação do polo petroquímico.

Do mesmo local, vista para a entrada do canal e as torres gêmeas.


Este local serve de acampamento para pescadores

Plantas aquáticas que ficaram em terra quando o nível da água esteve mais alto ainda com gotas de orvalho.

Detalhe das margens do Jacuí. Atrás das árvores já é lavoura.

Água espelha e sem correnteza.

Só o que sobrou foram algumas taquareiras, dali para trás virou lavoura.

Embarcações.

Parece que precisaram reboque...

A garça na esperança de pescar seu alimento.

Vista para oeste do arroio interno da ilha Domingos José Lopes.

Outras paisagens e relato dessa remada veja em:

 www.caiaquesetralhas.blogspot.com

sábado, 5 de junho de 2010

ISLÂNDIA

Vídeo produzido para mostrar que a Islândia não é só vulcões.


quarta-feira, 2 de junho de 2010

FINAL DA TARDE EM TRAMANDAÍ



Precisei ir a Tramandaí  e resolvi  levar a câmera para  algumas fotos se sobrasse tempo. Deu certo e lá pelas 17:00h estava livre. Fiquei procurando lugar para chegar na beira da água o que é difícil devido sobrar somente as bocas de rua . Depois fui para a ponte que liga Imbé e  caminhei de um lado para o outro "atirando" contra o sol. Entre tantas erradas algumas eu consegui salvar (selecionar). Espero que gostem ou, esperem eu pegar prática ...
























Um grande amigo meu disse:" essas hora que dá umas fotinho muito legal..."


O cara está certíssimo. Eu gostei muito dessas últimas.


Bem, tem várias outras no álbum do caiaqueveio que poderão contar os últimos minutos de sol desse dia em Tramandaí e, do outro lado da ponte, Imbé. As fotos acima são originais sendo que, no álbum, algumas foram corrigidas a linha do horizonte, luz ou cores.

Mas,  ainda assim, ficaram faltando as fotos com caiaque...